6.4.17

Do caminho







sou essa mesma
a converter um corpo alto
num verso pequeno
de palavras minúsculas
tão mínimas e miúdas
que se não for o acaso
a lhes emaranhar as raízes 
um dia serão sopro
penugem
uma escotilha solta no tempo
uma ranhura
no sorriso breve
e arteiro
de quem viveu
para ser semente

por isso
não são bem os verbetes
que se alastram
nas cristaleiras do pensamento
o que entorna o vinho a minha sede
mas a cadência luminosa
com a qual vou 
à nascente



8 comentários:

© Piedade Araújo Sol disse...

por vezes o tamanho das letras não conta...para apaziguar a sede que pode ser imensa...

mais um belo momento de poesia!

bom fim de semana.

beijinhos

:)

CÉU disse...

Frontal, direta, direita, você mesma, uma flor de raiz forte e nascente límpida.

Beijos, Sofia

As Mulheres 4estacoes disse...

As palavras, por minúsculas que sejam, nos permitem vasculhar as gavetas internas e extravasar pensamentos e sentimentos.

Cadinho RoCo disse...

Fluente e cativante.Te convido para conhecer a nossa www.hellowebradio.com ... você.Vem!
cadinho RoCo

Mar Arável disse...

cadenciadas palavras como remos
Excelente momento
Bj

manuela barroso disse...

Aqui faz - se música em palavras aladas . E
Voa- se na grandeza do teu perfil, Sofia!
Páscoa Feliz
Beijo!

manuela barroso disse...

Aqui faz - se música em palavras aladas . E
Voa- se na grandeza do teu perfil, Sofia!
Páscoa Feliz
Beijo!

© Piedade Araújo Sol disse...

Sofia
apenas para deixar os meus votos de uma Páscoa muito feliz.
beijinhos
:)

.

se acaso for de amar o sorriso que te veste   me chame de mãos dadas pouco a pouco na alegre  ventura de olhar para...