22.3.17

.








não me acorde 
com brados de desafios
quando tenho para ti guardado
a mais bela das flores

um a um
removi todos os espelhos 
que de ti 
revelavam serem plebeias
as minhas mãos

mas ainda andam comigo
as clareiras onde as vezes
me desmorono contra o chão 
e o brilho redundante 
de meu nome


3 comentários:

Mar Arável disse...

Frágil o cristal
mas forte o seu brilho

Bj

© Piedade Araújo Sol disse...

todas as flores
e as tuas mãos serão de luz para as clareiras
onde se ouvirá
o eco do teu nome

:)

manuela barroso disse...

É de um intenso brilho o espelho onde se mira o poema !
Bom domingo !